fbpx

Síndrome do pânico e o Reiki

Uma das formas mais utilizadas para amenizar e tratar os ataques da síndrome do pânico é terapia Reiki. A Terapia Reiki ajuda a controlar esse problema que é tão recorrente em toda a população mundial. Segundo estudos conduzidos no Reino Unido, o distúrbio de ansiedade já é responsável por afetar mais de 15% da população do país em algum momento das suas vidas. Além disso, 1 a cada 6 jovens com idades entre 14 a 26 anos sofre de ansiedade na Austrália. Nos Estados Unidos, os dados são ainda mais preocupantes e afirmam que mais ou menos 6 milhões de habitantes sofrem com ansiedade e síndrome do pânico.

Com isso, vê-se a necessidade de encontrar meios como o Reiki para ajudar as pessoas que estão sofrendo com esses problemas. Isso porque a síndrome do pânico e a ansiedade pode ser desenvolvida naquelas pessoas que estão sobrecarregadas, seja por causa da rotina intensa de trabalho ou mesmo devido aos estudos. Pensando nisso, falaremos mais sobre a técnica do Reiki e como ela vem sendo aplicada nas pessoas que sofrem com esses distúrbios. Sendo assim, se você não quer perder nada que separamos sobre a Terapia Reiki, continue a ler e fique por dentro.

Quais os efeitos do Reiki para ataques de pânico?

Terapia Reiki tem origem do Japão, o Reiki reduz os ataques de pânico de várias maneiras, bem como várias doenças em todo o aspecto físico, mental e emocional. A ideia por trás dessa abordagem, como o pânico, é observar que a situação nada mais é do que uma perturbação da energia pessoal. Durante uma sessão de Reiki, o objetivo do terapeuta é restaurar o fluxo normal de energia mental do paciente na esperança de reduzir a frequência dos episódios ou limitar a gravidade dos ataques de pânico.

É importante lembrar que o Reiki não substitui os tratamentos médicos tradicionais. No entanto, pesquisas e relatórios sugerem que fazer sessões regulares de Reiki pode ser útil para pessoas com transtorno do pânico e uma diversidade de doenças.  Além disso, o Reiki é uma Terapia natural não é uma terapia invasiva e não necessita de administração de medicamentos, assim como pode ser usado em conjunto com todos os outros tratamentos médicos e remédios.

Quais os sintomas da síndrome do pânico?

Para grande parte das pessoas, a síndrome do pânico não acontece isoladamente, é lógico que pode acontecer por gatilhos emocionais como traumas e outras situações. Podendo acontecer a qualquer momento, colocando o indivíduo em constante estado de alerta lembrando como era do episódio anterior.

Muitas pessoas com essas condições também são suscetíveis a “desencadear”, o que significa que são mais propensas a terem a síndrome do pânico em determinadas situações ou locais. Na verdade, muitas pessoas com histórico de pânico tendem a evitar voltar para onde tiveram o evento, gerando mais um trauma.

Não apenas em relação à localização, as pessoas com ataques frequentes passaram a evitar situações sociais, faltar ao trabalho e até mesmo deixar o emprego para evitar novas “recaídas”. Na pior das hipóteses, uma pessoa que não consegue controlar a frequência ou intensidade da síndrome do pânico pode ter que lidar com níveis graves de depressão ou pensamentos suicidas. 

Aqueles que sofrem regularmente do transtorno podem ser eventualmente diagnosticados com transtorno do pânico.Após a obtenção do diagnóstico, os médicos realizam a prescrição de vários tipos de tratamento como remédios, para tentar reduzir a quantidade e a intensidade dos ataques de síndrome do pânico. Um dos tratamentos mais comuns a serem utilizados para quem sofre desse tipo de problema é a psicoterapia, junto com a utilização de determinados medicamentos como aqueles benzodiazepínicos.

No entanto, um dado bastante triste e que merece atenção é o fato de, mesmo aqueles que seguem à risca o tratamento durante o tempo determinado, acabam por sofrer com os ataques após todo o procedimento. Além disso, os medicamentos utilizados para fazer o tratamento da síndrome do pânico contribuem para o aparecimento de alguns efeitos colaterais nos pacientes.

Esse é um dos motivos pelos quais muitas pessoas procuram métodos alternativos no tratamento da síndrome do pânico como o Reiki, que é uma das Terapias mais procuradas. Inicialmente essa técnica é capaz de fazer com que os pacientes obtenham excelentes resultados, desbloqueando sentimentos negativos de lugares, de passar mal e traumas de sair em lugares.

Quem utiliza remédios controlados para síndrome do pânico pode fazer Reiki?

Como dito antes, as técnicas de Reiki são consideradas como sendo uma modalidade de terapia não invasiva, ou seja, isso significa dizer que ela utiliza métodos tradicionais, voltados no equilíbrio e cura energética da própria mente do indivíduo, sem a necessidade de ter que recorrer a medicamentos para isso.

Dessa forma, essa técnica ajuda o paciente a fazer uma restauração no fluxo energético dos pensamentos com a energia do Reiki. Por ser um de tratamento natural e não invasivo a Terapia Reiki pode ser associada em conjunto com a medicação prescrita pelo médico. Assim os pacientes podem contar com duas diferentes formas de controlar a síndrome do pânico. A primeira delas utilizando as técnicas de Reiki e a segunda através dos medicamentos que foram prescritos pelo médico.

Dessa forma, se você faz uso de remédios controlados, saiba que você pode contar com a Terapia Reiki como aliada. De acordo com especialistas, o uso de medicamentos adequados junto ao Reiki podem ser de grande ajuda para as pessoas que sofrem com ataques de síndrome do pânico e outros tipos de problemas relacionados ao seu psicológico.

Como funciona a Terapia Reiki para pânico?

A terapia Reiki funciona de modo a promover benefícios que podem ser capazes de dar uma ajuda aquelas pessoas que sofrem com distúrbios mentais como o pânico. A pesquisa mostrou que as pessoas que frequentam regularmente sessões de Reiki relatam níveis mais baixos de estresse do que aquelas que não o fazem. 

Como altos níveis de estresse são gatilhos que aumentam o risco de ataques de pânico, reduzir a incidência desse sentimento também pode prevenir novos ataques de pânico. Pessoas estressadas tendem a ter mais síndrome do pânico do que pessoas emocionalmente calmas e equilibradas. 

Uma das questões que contribui para os ataques de pânico é a sensação de que o indivíduo não tem controle sobre sua vida. Ao fazer Terapia Reiki você pode recuperar a sensação de controle sobre seu próprio destino, reduzindo assim o risco de ataques futuros. Durante uma sessão de Reiki, os pacientes concentram sua energia no relaxamento e na cura. Manter esse foco se torna mais fácil à medida que a sessão continua. O paciente se sente calmo e tranquilo e começa a usar essa habilidade para se acalmar no dia à dia.

Quantas sessões são necessárias de Reiki para síndrome do pânico?

Não há um número exato de sessões, pois elas podem variar de acordo com as intenções e compromissos do paciente e a extensão do problema que o está incomodando. Alguns podem receber Reiki duas ou três vezes por semana, outros quinzenalmente ou mensalmente.

Para outros pacientes, o Reiki só deve ser realizado em situações de emergência, como quando tomam decisões importantes ou quando estão trabalhando em um novo projeto, além da síndrome do pânico.

No geral, é difícil determinar quantas sessões são ideais, pois elas podem variar de acordo com as necessidades individuais década ser humano. O que realmente importa é que as pessoas busquem o Reiki quando precisam de paz e equilíbrio em suas próprias vidas.

As sessões de Reiki estão ocupando cada vez mais espaço no mundo Online. Isso porque a eficácia do Reiki é independente da distância entre o terapeuta e o paciente, pois a distância não interfere na troca de energia. A ativação pode ser feita da mesma forma que uma sessão presencial, apenas alterando a conexão.

Por isso digo mais uma vez que a Terapia Reiki é uma das Terapias mais procuradas em todo o mundo, por mudar vidas e padrões de energia e pensamentos.